Fale com a empresa

Entre em contato direto com a empresa, clique no botão abaixo e envie sua mensagem.

Fale com a empresa aqui

Descrição

A Fisioterapia Uroginecológica é a área da Fisioterapia que trabalha com a prevenção e reabilitação de disfunções relacionadas ao assoalho pélvico. Os músculos desta região têm a função de controlar a urina e as fezes, sustentar os órgãos pélvicos como a bexiga, útero, reto e favorecer uma atividade sexual prazerosa.  É importante lembrar, que a Fisioterapia Uroginecológica já foi reconhecida pelo Conselho Federal de Fisioterapia (COFFITO), desde 2009, um ganho para a área e fortalecimento da profissão, atuando nas disfunções genitourinárias e reprodutivas. Um novo termo tem sido discutido que é a Fisioterapia Pélvica, pois os profissionais da área também atuam com outras disfunções como as relacionadas à coloproctologia - especialidade médica que estuda as doenças do intestino grosso (também conhecido como cólon), reto e ânus.

 

A INCONTINÊNCIA URINÁRIA (IU) é a queixa mais comum nos consultórios de Fisioterapia Uroginecológica, sendo caracterizada como uma perda involuntária de urina. Pode ser classifica em IU por esforço, quando está associada ao aumento de pressão abdominal (tosse, espirro, atividade física); IU por urgência (associada a um forte desejo de urinar) e mista quando há a associação dos sintomas de esforço e de urgência. Acomete mais às mulheres devido a fatores de risco, como por exemplo, o hipoestrogenismo, gestações e multiparidade. Os homens também podem apresentar IU, principalmente após a cirurgia de prostatectomia radical ou parcial, além de crianças com enurese noturna (“xixi na cama”) e disfunção do trato urinário inferior.

As mulheres também apresentam mais constipação, conhecida popularmente como “prisão de ventre” e podem ser beneficiadas quando a sua origem é de causa muscular. A incontinência fecal é a perda involuntária de fezes ou flatos e a fisioterapia pode atuar melhorando o tônus e a força da musculatura perineal, aumentando, consequentemente, o fechamento do esfíncter anal e diminuindo as perdas indesejadas.

As disfunções sexuais podem ocorrer em qualquer fase do ciclo de resposta sexual, mas três disfunções nas mulheres, em especial, podem ser muito beneficiadas com a fisioterapia. A ANORGASMIA pode ocorrer por uma fraqueza ou flacidez dos músculos do períneo e o objetivo é melhorar a consciência e fortalecimento dessa região. Se a paciente apresenta dor durante a relação (DISPAREUNIA) que pode ser por uma tensão ou trigger points nos músculos vaginais, o objetivo será melhorar a flexibilidade e normalização do tônus. O VAGINISMO é uma disfunção na qual a paciente contrai involuntariamente os músculos impedindo a penetração do dedo, do pênis ou de algum objeto (ex. espéculo – aparelho usado na avaliação ginecológica). O trabalho de dessensibilização e consciência dessa região é imprescindível para o sucesso da terapia. 

No homem o papel conservador do tratamento Fisioterapêutico na disfunção erétil tem se demostrado muito importante e inovador. A reabilitação perineal aumenta a irrigação sanguínea nesta região, favorecendo a ereção. Existem pouco estudos acerca da eletroestimulação peniana, mas na prática acredita-se que a eletroterapia usada estimula a uma neovascularização dos vasos favorecendo a ereção.

 

 

O princípio do tratamento é a normalização do tônus muscular, ganho de força adequada e restabelecimento da função do assoalho pélvico. São utilizdos recursos como:

Cinesioterapia: exercício para ganho ou melhora da força e resistência. Podemos utilizar a terapia manual para potencializar esses ganhos, como também auxiliar no relaxamento dos músculos;

Eletroestimulação: estímulo elétrico para melhorar a consciência e tonificação do assoalho pélvico, diminuir a dor perineal ou inibir a atividade da musculatura da bexiga durante o seu enchimento;

Biofeedback: aparelho que mostra a atividade muscular. Podemos trabalhar para relaxamento ou ganho de força.

 

Outros recursos podem auxiliar como a ginástica hipopressiva que tonifica, tanto a musculatura abdominal quanto a perineal. É importante considerar as disfunções posturais porque influenciam diretamente na função do assoalho pélvico, que devem ser tratadas concomitantemente. 

Fale que viu na Solutudo e fazendo pacote de 10 sessões ganhe avaliação grátis.

Local

Endereço não informado.

Compartilhe

Galeria de imagens